Sobre nossa tecnologia

Uma das qualidades em que a empresa se destaca é a tecnologia avançada que utiliza nas diferentes etapas da fabricação do azeite.

 

Bomba

Bomba de pistão

Para fazer os movimentos do óleo entre os tanques de aço inoxidável dentro da adega, é necessário fazê-lo com uma bomba de pistão, a única que não centrifuga o óleo ao movê-lo.

 

Filtro

Filtro de chapa de marca Velo Argentina

Quando termina a decantação, o óleo é filtrado com um filtro de placas de origem italiana para a remoção de 100% de partículas sólidas em suspensão e o clareamento do óleo para realçar a cor naturalmente.

 

Spinlock

Há uma etapa de pré-colheita que ocorre a partir do mês de fevereiro. Esta é a análise periódica de amostras de azeitona, que nos permitirá conhecer a porcentagem de ácido oleico e ácidos graxos que a fruta contém (ou seja, a quantidade real de óleo que ela contém). Essas amostras são extraídas de cada lote de campo.

Com essas informações, podemos saber exatamente quando e por quais lotes é conveniente iniciar a colheita.

Para obter essas informações, a Nogada S.A. Utiliza um equipamento de ressonância magnética da mais recente tecnologia, que mede em valores percentuais, a quantidade de óleo, umidade, ácidos graxos e proteínas que cada azeitona contém.

 

Aplicação de nitrogênio

 

Nitrogênio

Uma vez que o óleo é armazenado nos tanques de aço inoxidável, ele é submetido a decantação até que não seja possível extrair mais partículas sólidas ou água após uma análise visual. Enquanto isso, e durante todo o período de armazenamento, o nitrogênio é aplicado periodicamente para extrair quaisquer partículas de oxigênio no interior do óleo (uma das causas da acidificação do óleo).

 

Colheita e Colheitadeiras

 

Colheita por sistema vibratório

Este sistema de colheita é baseado na aplicação de uma vibração de alta frequência de uma pinça ao tronco da planta. Essa vibração sacode a árvore e faz com que o fruto caia em um grande guarda-chuva da máquina.

 

COE

A máquina consiste em 2 seções: o “COE C7 E SHAKER” e o “COE L2 E Receiver”. Juntas, essas seções compõem a máquina de colheita.

Para colher usando o sistema de vibração, ambas as máquinas devem agir juntas. A árvore estará entre essas máquinas. O COE Shaker C7E, com seu grampo, pega o tronco e faz vibrar, enquanto do outro lado, o COE

O receptor L2E receberá os frutos caídos da árvore, em uma placa inclinada em um ângulo de aproximadamente 40 graus. Em seguida, essas azeitonas serão depositadas em um recipiente localizado na parte traseira do COE Receiver L2E.

Colheita pelo sistema de equitação

Nesta mesma oliveira passa dentro da máquina de colheita (a máquina está circulando pelos espaços livres entre as fileiras de plantas), onde os galhos são atingidos por rolos que possuem alguns pontos altos de crochê, que estão girando constantes, fazem com que a fruta caia diretamente em uma recepção (tremonha interna) que fica dentro da máquina.

A azeitona é transportada por algumas correias para um carro externo e, a partir desta, é descarregada na tremonha de recepção, localizada no pátio da fábrica, onde começa o processo de fabricação do azeite.


Colossus

A ceifeira-debulhadora “Colossus L” quebra um paradigma no cultivo mundial de azeitonas, pela abordagem abrangente de uma grande estrutura autônoma de cavalo que permite a demolição, limpeza e entrega contínua da fruta, à medida que avança no estrutura de plantio e preservará a planta ao longo de sua vida útil.

 

Jacto
Para concluir o trabalho de colheita das frutas através do Sistema Cabalgante, é utilizado outro harvester de origem brasileira, o harvester “Jacto”, que basicamente faz o mesmo trabalho que a máquina descrita acima, mas com a única diferença de que é puxado por um trator e usado para colher plantas menores.

 

Máquinas de última geração aplicadas em todo o processo de fabricação do azeite.

tech-8
cubo-tech1
cubo-tech3
cubo-tech2
cubo-tech5